quinta-feira, outubro 31, 2013

BRASIL: Uma heroína do Nordeste contra um onanista de São Paulo

Por Angela Sztormowsky*


Michele Maximino, mãe e trabalhadora nordestina, é a campeã de doação de leite materno no Brasil, ridicularizada num programa de TV e vítima de uma sociedade de opressão da mulher

Comemora-se hoje, no dia 31 de outubro, o Dia das Bruxas, data que deveria servir de reflexão para os rumos que a sociedade quer tomar, se ela quer permanecer retrógrada, atrasada, católica e continuar queimando bruxas, ou se ela quer seguir um novo patamar onde o sexo feminino não é tratado como um mero objeto. Mas hoje, em nossos dias, mulheres ainda são jogadas na fogueira, literalmente e em sentido figurado, inclusive no Brasil.

Recentemente ganhou repercussão nacional uma ação judicial contra o comediante stand-up movido pela técnica de enfermagem do estado de Pernambuco Michele Rafaela Maximino, de 31 anos, a maior doadora de leite materno do Brasil. O leite materno, conforme se sabe, é indispensável ao ser humano nos primeiros dias de vida, sendo fonte de importantes componentes alimentares e de colostro, substância rica em vitamina A que reforça a imunidade passiva contra vários tipos de doenças.

Na época de Stalin, na União Soviética, país socialista, era comum que a premiação de todos os cidadãos por feitos que impressionassem o país ao melhorar a vida das pessoas, a maternidade, por gerar os novos filhos do país socialista, era premiada, e mães capazes de incríveis feitos rapidamente se tornavam manchete de jornais renomados, do rádio, eram consideradas "heroínas", e mesmo premiadas com medalhas, prêmios materiais e convidadas para participar de desfiles cívicos, como se fossem heroínas de guerra. O entusiasmo e o altruísmo, parte integrante da moral socialista, levaria a técnica de enfermagem Michele a uma condição digna num país socialista, ao contrário do constrangimento que enfrentou num país capitalista como o Brasil por parte de um protofascista como Danilo Gentili, que de "gentil" nada tem, tornando uma mulher trabalhadora e altruísta numa "vaca do Gentili", "vaca leiteira", como passou a ser chamada após a "piada" do fascista de São Paulo, que talvez conheça o Nordeste como um mero "lugar no caminho para Miami".

No capitalismo, a mídia faz você odiar os oprimidos e amar os opressores, já dizia Malcolm X. Num programa chamado "Agora é tarde", conhecido por trazer personagens da "esquerda festiva" como Manuela D'Ávila, para a qual "o comunismo de seu partido não é mais totalitário", atores pornôs como Kid Bengala e que atribui todo um glamour à ex-atriz pornográfica Sasha Grey, Danilo comparou Michele Maximino com o ator pornográfico Kid Bengala, alegando que "em termos de doação de leite, ela está quase alcançando o Kid Bengala". Que tipo de idiota compararia uma mãe com um gesto humanitário altruísta às ações de um ator pornográfico? Será que Danilo Gentili passou a infância "mamando" sêmen masculino para afirmar tamanho impropério? Talvez o trauma psicológico explicaria uma alegação tão bizarra e sexista. Independente dos motivos, o certo é que a sociedade misógina transformou a mulher numa mercadoria, num objeto, a ponto de um ato materno que é a amamentação tornar-se erotizado pelos meios de comunicação. Como alguém pode ousar zombar de outra pessoa com quem não tem a mínima intimidade?

O coitadismo intelectual de Gentili, humorista fadado ao fracasso, onanista e anticomunista inveterado

O "humor" stand-up de Danilo Gentili de engraçado nada tem para o povo honesto e trabalhador, ele é um imã para ignorantes e idiotas, visto que as principais vítimas de suas piadas são nordestinos, pobres, negros, mulheres e setores historicamente oprimidos. Após fotografar discretamente uma muçulmana coberta pelo véu e publicada em seu Facebook, Danilo Gentili ridicularizava a mulher como "o ninja Jiraya no aeroporto". Em sua conta no Twitter, tentando se justificar por uma piada preconceituosa, ele questionava: "Alguém pode me dar uma explicação razoável por que posso chamar gay de veado, gordo de baleia, branco de lagartixa, mas nunca um negro de macaco?". Se ele realmente precisa de uma explicação para isso, ele poderia começar a usar sua internet para, além de ver pornografia e disseminar o ódio, começar a pesquisar sobre a história dos negros, e se tem preguiça de ler, poderia mesmo buscar um documentário da rede de TV britânica BBC chamado "Racismo, uma história", legendado em português até. O documentário mostra como o epíteto "macaco" foi historicamente atribuído aos negros com o intuito de apresentá-los como uma "raça inferior" e exterminá-los sistematicamente, confiná-los em zoológicos para seres humanos, como o do Rei Balduíno da Bélgica e em zoológicos de Nova Iorque, ou ainda serem confinados em campos de concentração da Alemanha, do II Reich do Kaiser Guilherme, instalados na Namíbia, para massacrar e degolar os povos herero e namqua. Nenhum regime na história matou mais do que o capitalismo, e seus crimes são amenizados em nome de um humor pós-modernista

Mas quem disse que fascistas estão interessados em buscar a verdade? Num hangout(conferência online), Danilo Gentili confraternizava-se com dois outros personagens hediondos do Brasil, Lobão, um roqueiro fracassado que resolveu usar as ideias de extrema-direita como muleta para se manter de pé na midia, e Olavo de Carvalho, um pensador neofascista que defende a pena de morte para comunistas, o sexismo, o anticomunismo e a Inquisição. Nesse hangout, Danilo se fazia de vítima, dizendo ter cerceada sua liberdade de expressão(como se essa fosse um direito absoluto e sem limites), dizia ser vítima de uma "militância pronta para sufocá-lo", uma militância "pró-governo" e "pró-foro de São Paulo", que Olavo de Carvalho e seus seguidores apresentam como a encarnação do mal.

Danilo Gentili é uma nulidade humorística e intelectual, sua fama não está no humor, mas no seu preconceito e em suas ideias de cunho neofascista, em sua irreverência cara à geração pós-moderna, para a qual "não importa o que você expressa, mas você se expressar", pois isso, para o pós-modernismo, seria o símbolo máximo do triunfo do capitalismo, a prova de que no sistema "todos tem a liberdade para pensar como querem". Só que não, trata-se de uma liberdade garantida aos grandes capitalistas, dos quais Gentili é um mero empregado, para rir do explorado, do oprimido. Até mesmo nomes do mundo dos negócios como Roberto Justus já deram uma dura em Gentili, questionando se ele por ser "humorista" estava acima do bem e do mal. Será que existe alguma graça em reproduzir preconceitos e disseminar discursos de ódio via Twitter para centenas de milhares de seguidores?

Mesmo que seja condenado, a lei dos capitalistas é branda para malévolos como Gentili. Mesmo que seja espinafrado na rede, sem há espaço na mídia para nomes reacionários como Luiz Carlos Prates(aqui de Santa Catarina), Rachel Sherazade, Boris Casoy, Lobão, Maristella Basso ou outros que propagam o preconceito, a intolerância e que fazem apologia de uma sociedade retrógrada, misógina, ignorante e desrespeitosa para com quem deve ser desrespeitado.

O mesmo Danilo que critica a mulher exemplar de Pernambuco é o mesmo Danilo que trata como louvores uma ex-atriz pornográfica. Para homens assim, num país capitalista, não há punição adequada, talvez pagará uma indenização com o dinheiro do bolso da Band, um canal de TV reacionário. Criminosos como este deveriam pagar pelo seu crime sim num Campo de Trabalho Corretivo, a exemplo do que ocorre na Coreia do Norte no kwan-li-so, na China, no lao gai, ou ocorria na União Soviética no GULAG. E como Danilo não pode doar leite, e talvez não pode nem mesmo "fazê-lo" para suas parceiras, talvez pudesse ter alguma utilidade social cortando cana ou ajudando a abrir ferrovias para expiar os seus crimes e fazê-lo esquecer de sua ideologia nefasta.


*A Dra. Angela é advogada, pensadora e articulista de A Página Vermelha, de Santa Catarina

4 comentários:

Michele Rafaela disse...

Gostaria de agradecer o apoio e que a sociedade brasileira possa se unir contra esse reacionário.

Michele Rafaela disse...

Obrigado pelo apoio, precisamos nos unir contra esse reaça que continua agredindo Michele.

Romildo Cardoso disse...

Esse Gentili é um cretino. Porta-voz de tudo o que não presta neste País. Fazer piada de mau gosto com o maravilhoso trabalho que a Michele Rafaela presta à sociedade é o cúmulo do ridículo. Como ele é um sujeito sem graça nenhuma tenta conquistar o público com esse senso de humor esdrúxulo.

Erica Pompermayer disse...

Eu acho que o que falta em nosso mundo é o cuidado, o,respeito com o outro. A nossa liberdade de expressão termina onde começa o respeito pelo próximo. Negros, brancos, gordos, magros, gays, heteros, muçulmanos, judeus,... Todos são humanos, indempendente de raça, credo, condição social... E como humanos devem ser respeitados e valorizados no valor único que cada ser humano possui.Michele faz um imenso ato de amor em doar leite materno. Valores são valores, independente da época e evolução social. Me coloco ao lado dela, combatendo como posso, através das minhas atitudes e opiniões, toda e qualquer ofensa à dignidade do ser humano e aos valores morais que nos tornam seres humanos melhores e dos quais a humanidade não pode prescindir para evoluir verdadeiramente.